quinta-feira, 30 de novembro de 2017

The Guardian view on Donald Trump: bullies never respect sycophants


The Guardian view on Donald Trump: bullies never respect sycophants
Editorial
Stop the state visit. Britain should not allow the US president’s racism to be dressed up in pageantry

Thursday 30 November 2017 20.16 GMT Last modified on Thursday 30 November 2017 22.00 GMT

All relationships have boundaries. Those between nations can be particularly fraught, freighted with ties forged in history and culture. In diplomacy the manners, customs and morals of others need to be acknowledged and respected. But humanity begins with acts, not just with thoughts. The question is how to deal with a man like Donald Trump, a taunting braggart with a weakness for flattery? The stakes are high: when nations fall out, people get hurt. By using social media as a flame-thrower, Mr Trump uses words as weapons. He does not care who gets burned.

In retweeting anti-Muslim video clips promoted by a leader of a far-right fringe group in Britain and then rounding on the prime minister for reproaching him, Mr Trump proves again that he panders to bigots and is no friend of this country. This is an important – and dangerous – moment for Britain as it launches itself into the choppy waters of Brexit. The vain hope of politicians who pushed for this nation’s exit from the European Union was that we could hitch ourselves to the United States.

True, the US is Britain’s most important partner on the global stage. As nations we have a sense of shared values and a long history together. Both have worked to uphold the international rules-based system. After the end of the cold war it was a partnership, along with others, that guaranteed a short period of relative peace. What was not taken sufficiently into account was that this was not only a physical equilibrium but also a moral one.

Mr Trump has few morals. He is a thuggish narcissist who is no respecter of Britain’s national security and wellbeing. After the London Bridge attack in June, he went after the capital’s mayor, Sadiq Khan, for urging, quite reasonably, calm. He attacked Scotland Yard, in September, for not being “proactive” after a terrorist bomb failed to detonate in London. Then, as now, Theresa May rebuked the US president. It was the right thing to do. The prime minister should go further and withdraw the invitation for a state visit. Bullies never respect sycophants. Britain should not allow Mr Trump’s racism to be dressed up in pageantry. Mr Trump’s strategy is to stoke a climate of paranoia, both at home and abroad. He seeks advantage in the politics of division and hate. He operates by instinct rather than sober analysis.

The truth is that Mr Trump has no respect for the basic rights that are the foundation of democracy. Nor does he care for the decency necessary to sustain citizenship. Democracy cannot survive without letting reasonable debate bring the truth to light. Instead Mr Trump appears to have nothing but contempt for our intelligence. For the US president the show is all about one man. His secretary of state, Rex Tillerson, looks set to be replaced by a cheerleader for Trumpism. Mr Tillerson’s error was to realise what everyone suspects: his boss was, in his own reported words, a “moron”.

As a former British prime minister wisely noted, “nations have no permanent friends or allies, they only have permanent interests”. Britain must have a relationship with the United States, just as we have relationships with unsavoury regimes which are tempered by the understanding that we do not share their scruples. Our own foolishness means that we are no longer useful as a bridge to Europe.


The longer Mr Trump is in office, the more America’s folkways will become unfamiliar to Britain. Like all relationships, Britain and America’s will experience rocky times. We are living through one of them. With Mr Trump in the White House the US has become flighty when it comes to “special” relationships, heaping praise on America’s adversaries and downgrading ties with allies. To be credible our bond needs to be grounded in self-respect. Speaking the truth may be difficult, but that is what friends are for.

Donald Trump attacks Theresa May over her criticism of his far-right retweets

“So, Theresa May woke this morning to find out that she now has something in common with Kim Jong-un. Like the North Korean dictator, the prime minister has joined the list of world leaders who have now been derided on Twitter by President Trump.
It certainly marks something of a first for the “special relationship”. Presidents and prime ministers have often rowed bitterly in private, and these disagreements have sometimes spilt out in public too, but getting slagged off on social media? God knows what Churchill and FD Roosevelt would have had to say about this.”
GUARDIAN


Donald Trump attacks Theresa May over her criticism of his far-right retweets
In rare clash between allies, US president tells May to focus on terrorism rather than on him – but sends the tweet to the wrong person

David Smith in Washington
Thursday 30 November 2017 09.40 GMT First published on Thursday 30 November 2017 01.14 GMT

Donald Trump has publicly rebuked Theresa May over her criticism of anti-Muslim propaganda, opening an extraordinary diplomatic spat between the transatlantic allies.

“Theresa@theresamay, don’t focus on me, focus on the destructive Radical Islamic Terrorism that is taking place within the United Kingdom,” the US president tweeted on Wednesday evening. “We are doing just fine!”

Trump’s message came in response to criticism from the British prime minister’s spokesman over the president’s retweeting of incendiary videos posted by the deputy leader of a British far-right group.

However, the “@theresamay” Twitter handle that Trump targeted does not belong to Theresa May, the British prime minister, but a woman called Theresa Scrivener. Minutes later Trump deleted and reposted the tweet, this time with the correct handle: @Theresa_May.

The angry tirade, crowning one of the most wayward days yet of Trump’s presidency, earned a swift putdown from the US senator Orrin Hatch of Utah, who met May at Downing Street last week to discuss terrorism threats to both countries. He tweeted: “PM @theresa_may is one of the great world leaders, I have incredible love and respect for her and for the way she leads the United Kingdom, especially in the face of turbulence.”

May is currently on a tour of the Middle East and declined to immediately respond to the personal rebuke from Trump.

May is in Jordan, where she is due to deliver a major speech outlining her hopes for increasing UK influence in the region after Brexit.

But her trip, during which May also visited Iraq – the first British PM to do so in nearly a decade – and Saudi Arabia, was dominated by questions over the behaviour of Trump.

May’s officials with her in Jordan declined repeated requests on Thursday morning for a response to the new tweet. It is expected that the prime minister will deal with the issue in questions after her speech.

Among the likely questions will be whether she regrets being the first overseas leader to visit Trump after his inauguration, and his planned state visit to the UK.

The prime minister is due to cover this threat in a part of the speech dealing with more direct security assistance in the region, also including training for Iraqi forces to clear Mosul and Raqqa of explosive devices left by Isis as it fled, and more security assistance for Jordan.

Justine Greening, the education secretary, said the row should not undermine the UK’s long and close relationship with the US.

Asked if she was shocked that Trump was directly attacking a close ally, Greening told the BBC’s Today programme: “The UK and US have been longstanding allies and our relationship with America is a hugely important one, and I don’t think we should allow this tweet to undermine that in any way... (our relationship) will succeed long after presidents come and go and I don’t agree with the tweet President Trump has made but I also don’t believe it should distract from the agenda we have domestically or detract from the close relationship the UK has had for many many years and will go on to have with the American people.”

However, Sajid Javid, the local government secretary, who is Muslim, took a much harder line. He posted on Twitter: “So POTUS has endorsed the views of a vile, hate-filled racist organisation that hates me and people like me. He is wrong and I refuse to let it go and say nothing.”

The feud marks a new, unexpected twist in the “special relationship” that has benefited from personal chemistry between leaders such as Winston Churchill and Franklin Roosevelt, Margaret Thatcher and Ronald Reagan, and Tony Blair and Bill Clinton.

There had been hopes that May and Trump – whose mother was British – would achieve a similar rapport. She was the first foreign leader to visit after he took office: they were photographed holding hands at the White House and she invited him on a state visit to the UK. But that has yet to take place after a series of controversies and warnings that protesters will take to the streets to show he is not welcome.

Hostility in the UK deepened on Wednesday when Trump highlighted videos from the feed of Jayda Fransen of Britain First that purported to show a group of Muslims pushing a boy off a roof. Another claimed to show a Muslim destroying a statue of the Virgin Mary, and a third claimed to show a Muslim immigrant hitting a Dutch boy on crutches.

The credibility of the last video was immediately undermined when the the Dutch embassy in the US said the perpetrator of the violent act in the video was born and raised in the Netherlands. Fransen has been charged with using threatening or abusive language following an appearance at a far-right rally in Belfast this summer.

May’s spokesman made clear Trump’s invitation still stood but said it was “wrong for the president to have done this”. Boris Johnson, the foreign secretary, added: “UK has a proud history as an open, tolerant society & hate speech has no place here.”

The Labour party leader, Jeremy Corbyn, described the retweets as “abhorrent, dangerous and a threat to our society”. He and several other members of parliament called for the state visit to be cancelled.

The Labour MP David Lammy posted: “Trump sharing Britain First. Let that sink in. The President of the United States is promoting a fascist, racist, extremist hate group whose leaders have been arrested and convicted. He is no ally or friend of ours. @realDonaldTrump you are not welcome in my country and my city.”

Justin Welby, the archbishop of Canterbury, urged Trump to remove the retweets. And Brendan Cox, widower of Jo Cox, an MP murdered last year by a man reportedly shouting “Britain first” as he shot and stabbed her, told CNN: “I think we probably got used to a degree of absurdity, of outrageous retweets and tweets from the president, but I think this felt like it was a different order.

 “Here he was retweeting a felon, somebody who was convicted of religiously aggravated harassment of an organisation that is a hate-driven organisation on the extreme fringes of the far, far right of British politics. This is like the president retweeting the Ku Klux Klan.”

US Democrats joined the condemnation. Keith Ellison, the deputy chair of the Democratic National Committee and a Muslim member of Congress, branded the president “a racist”.

But the White House defended the retweets. The principal deputy press secretary, Raj Shah, told reporters on Air Force One: “We think that it’s never the wrong time to talk about security and public safety for the American people. Those are the issues he was raising with the tweets this morning.”

Asked if Trump was aware of the source of the tweets, Shah replied: “I haven’t spoken to him about that.”

The spokesman insisted: “The president has the greatest respect for the British people and for Prime Minister May.”


Trump’s new salvo echoed his criticism in June of London’s mayor, Sadiq Khan, after seven people were killed and 48 injured in a terror attack in the city. Khan, the first Muslim mayor of a western European capital city, hit back on that occasion and tweeted on Wednesday: “Britain First is a vile, hate-fuelled organisation whose views should be condemned, not amplified.”

Lisboa vai avançar com a videovigilância nas áreas mais movimentadas da cidade


De acordo. Desde que seja acompanhado por mais vigilância e patrulhamento directo na via pública por agentes. Que isto não sirva de pretexto para ainda menos presença da Polícia na rua, e menos esquadras
OVOODOCORVO

Lisboa vai avançar com a videovigilância nas áreas mais movimentadas da cidade
POR O CORVO • 30 NOVEMBRO, 2017 •

As áreas de maiores concentração populacional e frequência da cidade de Lisboa e ainda os pólos de animação nocturna vão passar a ser cobertos por um amplo sistema de videovigilância. Os estudos para o concretizar estão a ser feitos pela PSP e, assim que se encontrem concluídos, será desencadeado o processo, garante Fernando Medina. “Há concordância do senhor ministro da Administração Interna e da direcção nacional da PSP para avançar relativamente a isso”, assegurou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), na tarde desta quarta-feira (29 de novembro), durante a primeira reunião pública do executivo camarário neste mandato.

 O sistema abrangerá áreas como Cais do Sodré, Bica, Santos, Avenida 24 de Julho, Terreiro do Paço, Rossio, Rua Augusta, Martim Moniz, Belém, Parque das Nações e outras que venham a ser consideradas relevantes. Uma informação dada na discussão de uma moção do CDS-PP, propondo a adopção do “sistemas de vídeo protecção, em áreas sensíveis ao nível de segurança na cidade”, ontem aprovada, com voto favorável do PS. O que vai ao encontro do anunciado por Medina: “As zonas de maior frequência de pessoas e de maior concentração de vida nocturna serão as prioritárias para avançar com o sistema de videovigilância”.

 A confirmar-se, a instalação deste sistema de segurança nas principais áreas da cidade vem dar resposta a uma reivindicação antiga de muita gente, alargando a uma área substancialmente maior a tecnologia adoptada no Bairro Alto, em maio de 2014. Ainda este ano, em maio, foi discutida na Assembleia Municipal de Lisboa (AML) uma petição a favor da adopção da referida tecnologia na zona do Intendente e da Avenida Almirante Reis, como forma dissuasora do tráfico de droga. Nesse momento, tal como noutras ocasiões, houve quem lembrasse as reservas frequentemente expressas pela Comissão Nacional de Protecção de Dados à adopção do sistema.

 Contingências que, garante agora o presidente da CML, estarão ultrapassadas. “Sou favorável ao alargamento da videovigilância nas zonas de maior intensidade turística e animação nocturna, tal como já o era o António Costa. Estas questões estiveram durante anos dependentes da doutrina e da aprovação da Comissão Nacional de Protecção de Dados. Mas, neste momento, a situação encontra-se estabilizada e não encravaremos em problemas jurídicos para andarmos três ou quatro anos para negociar a sua implementação”, diz Fernando Medina.

 O autarca informou a vereação e o público presente na sessão de que já tinha tido a oportunidade de transmitir ao novo ministro da Administração Interna, Constança – tal como já fizera com a sua antecessora – e à direcção nacional da PSP que vê como “desejável e prioritário poder trabalhar para ampliar a rede de videovigilância na cidade, uma vez que está estabilizada a doutrina da comissão sobre esta matéria”. Medina diz que “há concordância” do ministro e da polícia para “avançar relativamente a isto”.

 “É sempre essencial que a PSP despolete e justifique a necessidade da videovigilância. Como não há nenhuma diferença de opinião sobre esta matéria entre nós e o Ministério da Administração Interna, está feito o entendimento”, assegura o presidente da câmara, explicando estar apenas à espera da conclusão dos estudos necessários ao alargamento do sistema, que estão a ser realizados pela direcção nacional da polícia, para “accionar os mecanismos de contratação e instalação”.

 Uma decisão que vai de encontro ao revindicando pelo CDS-PP através de uma moção pedindo a “implementação de sistemas de vídeo protecção, em áreas sensíveis ao nível de segurança na cidade”. “Sistemas como este estão já implementados com sucesso noutras cidades, de que Londres é exemplo, onde a instalação de um centro de comando munido de meios de vídeo-protecção conjugada com a supervisão das forças de autoridade, tem dado excelentes resultados em locais especialmente críticos”, lê-se no documento, que foi aprovado com votos favoráveis do CDS-PP e PS, a abstenção do PSD e os votos contra do PCP e BE.

 “Consideramos que esta é uma opção que mais tarde ou mais cedo se tornará inevitável na gestão da cidade e, por isso mesmo, há que estudá-la e implementá-la de acordo com as melhores práticas já testadas”, diz ainda a moção, que lembra os recentes episódios relacionados com a violência na discoteca Urban Beach, o vandalismo de que foi alvo a Igreja do Loreto e a sensação prevalecente de insegurança no Miradouro de Santa Catarina.


Texto: Samuel Alemão

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Preservação do investimento estrangeiro travou acordo na energia



“Palavra dada não foi palavra honrada”?
Portugal à Venda . Dependente de tudo e de todos . São os investidores estrangeiros que determinam a política em Portugal?
OVOODOCORVO
Preservação do investimento estrangeiro travou acordo na energia

Secretários de Estado negociaram com o BE taxa sobre as renováveis pois medida não tinha implicações orçamentais. PS votou “conscientemente” a favor, não foi erro nem engano, dizem deputados socialistas. Primeiro-ministro travou o acordo e fez o PS votar depois contra.
Chineses e australianos seriam os mais afectados pela taxa das renováveis
“O problema é que esta medida atinge os investidores internacionais que são essenciais em Portugal,
PS votou “conscientemente”
Não foi erro nem engano, ao contrário do que o próprio primeiro-ministro terá tentado fazer passar logo na segunda-feira ao início da noite no Parlamento em conversa com os jornalistas

SÃO JOSÉ ALMEIDA e MARIA LOPES 29 de Novembro de 2017, 6:30
https://www.publico.pt/2017/11/29/politica/noticia/preservacao-do-investimento-estrangeiro-travou-acordo-na-energia-1794258?page=/&pos=1&b=stories_cover__regular

A preservação do investimento estrangeiro em Portugal foi a razão que levou o primeiro-ministro, António Costa, a fazer o PS avocar a plenário, na segunda-feira, a medida que os seus secretários de Estado tinham negociado e aceitado a nova taxa sobre as renováveis proposta pelo BE.

Um responsável do Governo explicou ao PÚBLICO que a decisão de voltar atrás no acordo com o BE foi tomada ao mais alto nível no Governo, com a concordância do próprio primeiro-ministro, porque esta medida punha em perigo o investimento estrangeiro em Portugal.

“O problema é que esta medida atinge os investidores internacionais que são essenciais em Portugal, não só nos investimentos no sector energético e das energias renováveis, mas também em outros sectores com investimentos já feitos ou em negociação”, explicou ao PÚBLICO um responsável pelo Executivo, acrescentando: “Os investimentos na área foram negociados com base em boa-fé e em condições estáveis para 20 ou 30 anos, não se pode alterar as regras a meio do jogo. Além de que já estão em concretização alterações nas rendas pagas pelo Estado.”

Pormenorizando quais eram os investidores a que se referia, o mesmo membro do Governo explicou ao PÚBLICO que “alguns dos investidores nas energias renováveis são investidores e fundos essenciais para a economia portuguesa e que têm investido mesmo, por exemplo, na dívida pública”. E desabafou: “A dívida pública portuguesa tem baixado não é por obra e graça do divino espírito santo, é porque tem havido quem compre dívida portuguesa a juros mais baixos.”

Há um outro argumento que esteve em causa na decisão do primeiro-ministro: o risco de litigância em tribunais internacionais com penalização do Estado português. “Além disso, o exemplo dos outros Estados-membros onde a medida foi adoptada, como é o caso espanhol, demonstra que se abre um processo de litigância em tribunal em que o Estado espanhol tem perdido sistematicamente”, aduziu o mesmo responsável governamental.

História de um recuo

O recuo do Governo foi imposto pelo primeiro-ministro, depois dos secretários de Estado responsáveis pelas negociações terem aceitado a proposta uma vez que ela não tinha implicações orçamentais para 2018. Também por essa razão o seu chumbo posterior não põe em causa o acordo sobre Orçamento do Estado. Mas aparentemente não perceberam as implicações sobre o investimento estrangeiro e acabaram desautorizados pelo primeiro-ministro.

Tudo começou com a apresentação pelo BE na Mesa da Assembleia sexta-feira, dia 17 de Novembro, de um projecto de lei para baixar a factura da electricidade ao consumidor. Quase uma semana depois, o BE negociou com o Governo uma alteração à proposta inicial. Essas negociações terminaram na quinta-feira, dia 23, tendo daí resultado a entrega na Mesa da Assembleia de uma proposta de alteração que seria votada no dia a seguir.

A alteração do BE mereceu a concordância em negociações com o Governo que tiveram como pivô o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, e que envolveram, por exemplo, o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, e o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches. Estes concordaram com a proposta, pois além de não ter implicações orçamentais, a proposta aumentava a receita fiscal e baixava a factura de electricidade.

Na sexta-feira, no pressuposto de que o Governo tinha aceitado, Pedro Nuno Santos transmitiu à direcção do grupo parlamentar do PS a indicação de voto a favor. Só nessa tarde o Governo e nomeadamente o primeiro-ministro se aperceberam das implicações e foi pedida a avocação a plenário do projecto aprovado. O BE foi avisado no fim-de-semana.

O responsável pelo Governo ouvido pelo PÚBLICO desvalorizou a polémica posterior e sublinhou que “o BE apresentou a sua proposta de alteração na convicção de que estava aceite pelo Governo”. O mesmo membro do Governo considerou ser “normal que o BE, quando viu o chumbo pelo PS da sua proposta, em plenário aproveitasse para fazer um acto político”.

PS votou “conscientemente”
Não foi erro nem engano, ao contrário do que o próprio primeiro-ministro terá tentado fazer passar logo na segunda-feira ao início da noite no Parlamento em conversa com os jornalistas. Na sexta-feira, o PS votou “conscientemente” a favor da proposta do Bloco sobre a criação da contribuição solidária sobre as produtoras de energia renovável, garante ao PÚBLICO o deputado Fernando Anastácio que naquela altura conduzia, com Margarida Marques e Jorge Gomes (ambos ex-secretários de Estado), as votações na especialidade na Comissão de Orçamento e Finanças. A explicação para o que mudou está no Governo, acrescenta o deputado.

A proposta do Bloco teve várias versões. A primeira era mais geral e comprometia o Governo a definir, durante 2018, uma “contribuição sobre os produtores de energia actualmente isentos da contribuição extraordinária sobre o sector energético (CESE)”, essencialmente os das renováveis, que entraria em vigor no orçamento de 2019. Mas como teve a oposição do Governo, o partido entregou na quinta-feira uma alteração que definia já um regime específico, com a abrangência, a incidência, a taxa de 30% e as isenções.

Na sexta-feira à tarde, no início das votações, a deputada Mariana Mortágua anunciou na comissão que tinha para distribuir em papel uma alteração à proposta do Bloco carregada no sistema do Parlamento no dia anterior porque não conseguira inseri-la no sistema nessa manhã. Três horas depois, na altura da votação da proposta de alteração 329C que aditava um novo artigo 120º-A, Mortágua explicou que “houve uma pequena alteração num único número” – tratava-se apenas de especificar que a taxa seria paga “mensalmente”.

A votação, já se sabe: a norma foi aprovada por BE, PCP e PS, com o voto contra do CDS e a abstenção do PSD. Na segunda-feira, na avocação feita pelo PS, esta bancada deu a “cambalhota”, como lhe chamou Jorge Costa, chumbou a proposta do BE e apenas o seu deputado Ascenso Simões votou ao lado do BE e do PCP.


O deputado socialista Paulo Trigo Pereira, que confirma a versão de Fernando Anastácio sobre o conhecimento total do teor da proposta, entregou uma declaração de voto em que classifica esta “contribuição solidária” das renováveis de “equilibrada” e afirma que só não votou ao lado do Bloco na avocação por causa da “disciplina de voto” da bancada e questões de orçamento – que respeitou apesar do seu estatuto de independente.

Mau ambiente e insegurança passaram a ser rotina no Miradouro de Santa Catarina / VIDEO:Agente da Polícia Agredido em Lisboa - Agressões a Polícia em Lisboa.



Mau ambiente e insegurança passaram a ser rotina no Miradouro de Santa Catarina
POR O CORVO • 29 NOVEMBRO, 2017 •

As imagens da agressão a um polícia da PSP por um homem a quem lhe havia sido pedido que se identificasse, ocorrida a 1 de outubro, no Miradouro de Santa Catarina, e apenas tornadas públicas no início de novembro, surpreenderam muita gente, tanto pela audácia do agressor como pela sensação de impotência transmitida. O vídeo amador, que motivou indignação generalizada, acaba também por servir como lembrete para um cenário de insegurança quotidiana, em relação ao qual os moradores da zona têm vindo a alertar há já alguns anos.

 “O ambiente e a falta de segurança já vêm de trás, nós temos chamado a atenção para o problema de forma continuada. Mas as coisas só têm piorado, sobretudo no período que vai do último ano a seis meses”, diz a O Corvo Nuno Santos, vice-presidente da Voz do Bairro – Associação de Moradores de Santa Catarina e Misericórdia. “O Adamastor é um ponto negro e tem de ser tratado como tal pelas autoridades”, afirma, sem deixar de reconhecer algum esforço feito pela Junta de Freguesia da Misericórdia, sobretudo ao nível da higiene urbana. O que não chega, porém, para dissipar uma certa sensação de decadência.

 As queixas relacionados com o mau ambiente e a insegurança da zona, onde a sujidade do espaço público anda a par da venda descontrolada de estupefacientes, dos actos de vandalismo, ruído e intimidação por parte de certos indivíduos, são afinal a extensão daquelas ouvidas também nos bairros contíguos da Bica, do Bairro Alto e do Cais do Sodré, todos parte da freguesia da Misericórdia. O fenómeno da insalubridade e da insegurança nestas áreas está longe, aliás, de ser algo novo. Mas tem-se agravado nos últimos anos, com a intensificação da vida nocturna na área e o seu cruzamento com o crescimento meteórico da demanda turística.

 Em novembro de 2013, O Corvo dava já conta das preocupações dos moradores relativas à degradação do ambiente junto ao miradouro conhecido pela estátua do Adamastor e à artéria percorrida por quase todas as pessoas para lá chegar, a Rua Marechal Saldanha. Há agora, como nunca houve, muito mais gente a circular por aquela área. Alguns dos problemas aumentaram em proporção, sobretudo a insegurança.

 “Não se compreende como é que se continua a vender e a oferecer droga, a qualquer hora, à frente de todas as pessoas. Trata-se de gente que vem de fora para aqui fazer isto e causam instabilidade e mau ambiente”, relata Nuno Santos, dando conta de um prevalecente clima de intimidação por parte dos indivíduos que se dedicam ao tráfico de substâncias ilícitas. É difícil atravessar a Rua Marechal Saldanha sem se ser abordado pelo menos duas vezes por um desses dealers, sabe qualquer pessoa que frequente a área.

 E se se tem solidificado a fama do local como supermercado a céu aberto de certas drogas, a procura tem feito por se ajustar à oferta, dando provas das capacidade auto-reguladoras deste mercado. Muita gente se abastece por lá, turistas incluídos. E o problema complica-se, garante o dirigente associativo, pelo facto de haver um esquema de rotatividade de vendedores. “Já passaram por aqui mais de 50 indivíduos, estão sempre a mudar”.

 E o problema, diz o vice-presidente da associação de moradores, é que quem deveria estar a tomar conta do problema não o está a fazer, devido a dificuldades operacionais. “Se alguém liga para a polícia, porque existe uma ocorrência que o justifica, eles dizem que não podem responder com maior rapidez”, conta. Apesar de existir uma esquadra da PSP ali perto, no Bairro Alto, muitas vezes os agentes demoram “30 ou 40 minutos a chegar”.

 “Não queremos um polícia em cada esquina, mas precisamos que respondam quando deles necessitamos. Os moradores sentem-se inseguros, a qualidade de vida deteriorou-se. Quando há alguém a gritar, a consumir drogas ou a urinar à sua porta, as pessoas têm medo de pedir para não o fazer”, relata Nuno Santos. As consequência são óbvias: “A qualidade de vida deteriora-se, as pessoas cansam-se e continuam a sair do bairro”. Isto apesar de outros chegarem ao bairro, fruto da novas dinâmicas imobiliárias.

 A comunidade encontra-se em forte mutação. A verdade é que a persistência destes problemas, aliada às alterações trazidas pela Lei das Rendas, está a deixar marcas naquela zona da cidade. O cansaço sentido pelos moradores do Bairro Alto e da Bica é o mesmo dos residentes de Santa Catarina. Uma fadiga que anda a par com a frustração com o que se evidencia como uma clara incapacidade das autoridades para lidarem com tal cenário. Afinal, os problemas estão identificados há muito. “A insegurança na zona envolvente ao Miradouro de Santa Catarina é um problema que temos acompanhado de perto, no âmbito daquilo que são as nossas competências relativamente a esta questão”, diz agora Carla Madeira (PS), presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia a O Corvo.

 Há quatro anos, quando falou com O Corvo sobre o mesmo problema, autarca admitia já a sua preocupação e também a incapacidade da polícia para lidar com a venda de droga. “Já tive uma reunião com a PSP do Bairro Alto e eles dizem-me que não podem fazer muito, porque o que é ali vendido são folhas de louro prensadas, e não uma substância ilícita”, dizia, na altura, admitindo que a introdução de um sistema de videovigilância em Santa Catarina e no Cais do Sodré seria a solução para tentar repor a normalidade no seio da comunidade. O sistema foi, entretanto, adoptado no Bairro Alto, mas não em Santa Catarina.

 A perenidade do clima de insegurança e do mau ambiente junto a um dos mais emblemáticos miradouros da cidade leva agora a presidente da junta a prometer medidas. “Temos reunido regularmente com a PSP e com a Câmara Municipal de Lisboa, com a qual estamos na fase final da elaboração de um projecto de reabilitação para aquela zona”, anuncia Carla Madeira. “Foi precisamente no sentido de elaborar este projecto que a CML criou um grupo de trabalho, do qual a Junta de Freguesia da Misericórdia faz parte, que tem como objectivo promover a requalificação do Miradouro de Santa Catarina nas suas diferentes vertentes, como a iluminação pública, a manutenção de espaços verdes, a gestão de concessões e fiscalização, entre outras”, acrescenta.

 A requalificação do Miradouro de Santa Catarina foi, de resto, uma das promessas eleitorais de Carla Madeira, no verão passado. Num prospecto distribuído aos residentes, mencionava-se a articulação da intervenção com a câmara municipal, com o objectivo de “devolver” o miradouro e as zonas envolventes à população. “A intervenção em causa contará com a plantação de diversas espécies arbóreas e de um tapete relvado, bem como a colocação de vedações dissuasoras de pisoteio constante. A obra contempla ainda espaços relvadas para usufruto de momentos de lazer”, antevia-se.

 Algo confirmado agora pela reeleita autarca. “Este projecto pretende melhorar as condições do espaço público e devolver à nossa população aquele local tão carismático da nossa Freguesia, algo pelo que temos trabalho ao longo dos anos, nomeadamente com a requalificação dos balneários existentes. Pensamos que, juntamente com a PSP e a CML, será possível diminuir a insegurança existente, alterando a dinâmica actual do local de modo a que o mesmo seja mais inclusivo e aberto a toda a população.”

 A planeada requalificação surge apenas quatro anos depois de o miradouro e zona envolvente terem sido alvo de profundas obras com o mesmo objectivo. E que até lhe mudaram bastante a configuração. Em 2013, foi bastante polémica a opção pela actual solução arquitectónica, por privilegiar o uso de grandes superfícies de pedra liós. Houve quem considerasse que o local estaria, com tal escolha, a perder muita da sua identidade. O tapete relvado que ali foi instalado acabou, rapidamente, por ser destruído pelo pisoteio constante.

 O Corvo tentou saber junto da direcção nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) qual a avaliação que a mesma faz do clima de insegurança em Santa Catarina. “Reconhece a PSP a especial susceptibilidade daquela zona em termos de segurança pública? Planeia a PSP realizar um reforço de meios operacionais naquela zona?”, eram as questões, feitas há uma semana. As respostas, porém, não chegaram até ao momento da publicação deste artigo.



Novo Hospital de Lisboa Oriental põe em causa os hospitais do centro da capital

Projectos para a Colina de Santana em Lisboa estão suspensos
Deu-se um volte-face no processo de requalificação da colina de Santana, na capital, que implicava a construção de vários edifícios no lugar dos actuais hospitais. A câmara suspendeu os pedidos de informação prévia, que correspondem aos projectos de construção.
Bruno Simões
04 de fevereiro de 2014 às 21:31

A câmara de Lisboa decidiu suspender os pedidos de informação prévia (PIP) para a construção de novos edifícios na colina de Santana, no lugar dos actuais hospitais de São José, Santa Marta, Capuchos e Miguel Bombarda. As obras, a avançar, implicariam a regeneração urbana de 16 hectares de terreno na área da colina de Santana, entre a Avenida Almirante Reis e a Avenida da Liberdade. A Estamo, empresa pública detentora dos hospitais, tinha já projectos de loteamento para estes hospitais, que seriam encerrados e transferidos para o novo hospital de Todos os Santos.

A novidade foi dada pelo vereador do Urbanismo da autarquia da capital, Manuel Salgado, durante o debate desta tarde para discutir o futuro da Colina de Santana (o terceiro). O vereador, que tem sido um dos principais defensores da intervenção na zona, disse que “os PIP estão suspensos”, o que implica, na prática, a suspensão dos projectos. O pedido de informação prévia é um procedimento que se destina a obter informação e deliberação vinculativa sobre a viabilidade de uma operação urbanística concreta.

Se o PIP respeitar os instrumentos urbanísticos, nomeadamente o Plano Director Municipal, a autarquia pouco pode fazer para o parar.

Os quatro PIP, relativos a cada um dos hospitais, foram publicados em Julho do ano passado. Em Dezembro, a câmara publicou o Documento Estratégico de Intervenção, que detalha as obras a efectuar. Os quatro PIP contemplam projectos de loteamento para as áreas dos quatro hospitais (São José, Santa Marta, Capuchos e Miguel Bombarda), que incluem 700 fogos e mais de 90 mil metros quadrados de construção nova.

No final do debate, a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, estava bastante satisfeita. Com a suspensão dos PIP, explicou ao Negócios, o processo é também ele suspenso. Será necessário que a câmara decida sobre o novo modelo para concretizar esta intervenção. “A Assembleia Municipal vai ter de apresentar uma proposta e a câmara terá de decidir o que quer fazer”, resumiu. “Este debate permitiu perceber que há uma diversidade de interesses que precisam de ser acautelados”, acrescentou ainda.

Câmara quer envolver mais entidades na regeneração da Colina de Santana

Antes de anunciar a suspensão dos PIP, Manuel Salgado disse ser necessário envolver mais actores no processo de renovação da zona, mostrando estar de acordo com o deputado municipal Vítor Gonçalves, do PSD. Seria um “programa de regeneração e salvaguarda da colina de Santana, tendo em conta as debilidades e potencialidades da colina”, que teria de ser “concertado entre o município, a universidade e a Estamo”.

Depois de essa concertação estar feita, seria preciso “definir um conjunto de unidades de execução”, e um “gabinete à imagem dos gabinetes de apoio a bairros de intervenção prioritária (GABIP) que já temos”. Um exemplo citado é o GABIP da Mouraria, que concentrou a intervenção realizada nessa zona da cidade de Lisboa.

Desde que foi lançada para consulta pública, a intervenção prevista para a Colina de Santana tem gerado imensa polémica, à qual a câmara parece ter sido sensível. Por um lado, os moradores da zona não tiveram oportunidade de se pronunciar sobre os projectos, e em vários casos iam ver novos edifícios de vários andares a crescer ao lado das suas casas.

Por outro, a comunidade médica contesta o fecho das unidades hospitalares que ainda estão abertas na zona para as concentrar no novo hospital de Todos os Santos. Por outro lado, há a questão do valor histórico dos edifícios, alguns com equipamentos de valor incalculável, que poderiam ficar em risco.

Agora, a dúvida será qual o modelo a seguir para regenerar a zona. Manuel Salgado avisa que há “urgência em andar com este processo para a frente”. “É uma oportunidade o município poder negociar com uma entidade que é detentora de todas estas parcelas e definir uma estratégia concertada. Não devíamos perder esta oportunidade”, alertou.

Victor Gonçalves defende, para a zona, o estabelecimento de uma área crítica de reabilitação urbana, divida em três unidades de execução (Norte, Sul e Oeste) e um gabinete exclusivamente dedicado a essa reabilitação. Outro cenário que está em cima da mesa é um Programa de Acção Territorial, que envolve não só o município como também o Estado na definição do programa de desenvolvimento da zona.

Um processo que começou às avessas

Durante o debate do final desta tarde, o terceiro de uma série de debates temáticos que têm sido levados a cabo para discutir o futuro da zona, foram várias as críticas dirigidas à forma como o processo foi conduzido. Isto porque os projectos de loteamento deram entrada na câmara municipal em Janeiro de 2013, e só em Dezembro do ano passado é que a câmara publicou a sua estratégia para a zona.

Uma das maiores críticas foi feita por Fernando Nunes da Silva, que foi vereador da câmara de Lisboa até ao último mandato de António Costa. “Houve uma inversão completa do processo de loteamento. No final é que vem o projecto de estratégia. Completamente impressionante como é que isto se faz”, assinalou. O Documento de Estratégico de Intervenção foi apresentado em Dezembro do ano passado e elege três prioridades: a “identificação do território como Colina do Conhecimento, o reforço da componente residencial e afirmação da Colina de Santana como Eco-Bairro Histórico”.

“Tenho pena é que apareça dois anos depois dos projectos de arquitectura. Nãp estão em causa os projectos de arquitectura”, esclareceu Nunes da Silva. “O que está em cima da mesa é ter-se avançado até aqui apenas com um modelo de negócio para resolver problemas do Estado numa área que é uma área chave de Lisboa, de uma oportunidade para corrigir e resolver muitos problemas que esta zona da cidade foi somando ao longo do tempo”.

A Estamo, sociedade pública de gestão de imóveis (detida pela Parpública), adquiriu os quatro hospitais e respectivos terrenos ao Estado em 2010, a troco de 111,5 milhões de euros.

(notícia actualizada às 22h47)

Novo Hospital de Lisboa Oriental põe em causa os hospitais do centro da capital

POR O CORVO • 26 JULHO, 2017 •

A prometida construção do novo Hospital de Lisboa Oriental, em Marvila, cuja entrada em funcionamento está prevista para 2023, está a provocar grande apreensão sobre o futuro das unidades existentes no centro histórico da capital. Teme-se que à entrada em funcionamento do, há muito reclamado, equipamento corresponda uma acentuada quebra dos padrões mínimos de prestação de cuidados de saúde no coração da cidade, bem como a abertura de um cenário de incerteza sobre o real destino dos edifícios e dos terrenos onde hoje funcionam as unidades do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

 Tanto que, três anos após um muito participado debate temático na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), se voltou a ouvir falar do fantasma da “especulação imobiliária” em torno dos hospitais da zona da Colina de Santana, durante a discussão realizada na tarde desta terça-feira (25 de julho), requerida pelo Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), a propósito das unidades hospitalares do centro de Lisboa. Helena Roseta, presidente daquele órgão autárquico, escreveu mesmo uma nova carta ao ministro da Saúde a pedir uma clarificação urgente sobre a matéria.

 A discussão de ontem, que antecedeu a votação na assembleia, na sessão extraordinária desta quinta-feira (27 de julho), da cedência dos terrenos municipais necessários à construção do Hospital de Lisboa Oriental, fora aliás motivada por uma troca de correspondência entre Roseta e o Ministério da Saúde. A resposta da presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo a um pedido de esclarecimentos sobre a matéria, feito em junho por Roseta, apanhou de surpresa quase toda a assembleia, pela sua escassez de informação e de garantias sobre o que acontecerá ao CHLC – no qual se incluem São José, Capuchos, Santa Marta, Curry Cabral, Dona Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa.

 Na informação enviada, na semana passada, pela dirigente da ARS Lisboa e Vale do Tejo, faz-se uma descrição muito sumária das características do novo equipamento e explica-se, de forma muito genérica, o que acontecerá aos hospitais do centro de Lisboa. Lá, diz-se, por exemplo, que a Maternidade Alfredo da Costa “irá deixar as suas actuais funções, mantendo-se no entanto ao serviço da saúde” ou que o Hospital dos Capuchos deixará de estar no activo. Mas são mais as dúvidas do que as certezas o que prevalece da missiva enviada pelo ministério. Lamentado tal situação, na carta agora enviada como resposta da AML a Adalberto Campo Fernandes, Helena Roseta critica a referência a alterações ao funcionamento dessas unidades “que passam pelo seu desmantelamento ou descaracterização e que não foram democraticamente decididas por ninguém, que se saiba”.

 “Para além de não se compreender como é que um hospital de 875 camas pode substituir as 1307 camas do CHLC, não é aceitável que sejam desmantelados equipamentos hospitalares no centro da cidade em benefício de uma localização mais periférica e em prejuízo da identidade histórica de zonas e de edifícios icónicos de Lisboa”, escreve Roseta, para logo de seguida afirmar que a cidade de Lisboa “não foi ouvida e certamente não aceitará ser assim subalternizada, nem muito menos desapossada de equipamentos públicos cruciais para a sua população”. A presidente da assembleia municipal sublinha que o facto de se estar em final de mandato impede que se possa “desenvolver a temática”, mas alerta o ministro da Saúde que “durante a próxima campanha autárquica e no mandato de quem vier a seguir, este será um tema central” do qual os representantes eleitos não abdicarão.

 Mas a cedência dos terrenos municipais em Marvila para a edificação do novo hospital será ainda debatida e votada agora, na quinta-feira (27 de julho). Razão pela qual, nesta última carta enviada ao ministro da Saúde, Helena Roseta diz estar órgão por si presidido “perante um dilema insuportável”. “Ou viabiliza a venda de mais uma extensa parcela de terreno municipal para a construção do novo HLO, cujo pressuposto é o desmantelamento do CHLC; ou não o faz e fica com o ónus de ter retardado o urgente lançamento do concurso para o novo hospital”, postula, antes de avançar com uma sugestão de saída que defenda o “interesse da cidade”.

 “Construir o novo HLO o mais rapidamente possível, porque ele faz muita falta, e manter o CHLC, reconvertendo valências quando necessário, mas sem pôr em causa a existência de uma rede hospitalar e de cuidados de saúde digna desse nome n centro histórico da capital” é a proposta de Roseta, que, na sessão da AML da semana passada, lamentou o facto de ser a presidente da ARS a responder à sua carta de junho e não o ministro da tutela.

 O anúncio do envio da carta de Helena Roseta aconteceu numa sessão em que todas as forças políticas, incluindo o PS – se bem que de forma algo contrita -, se manifestaram apreensivos devido às dúvidas ainda prevalecentes em relação ao futuro dos hospitais localizados no centro da capital. Não apenas pelo que poderá acontecer ao nível da oferta de cuidados de saúde, mas também pela preservação do imenso património histórico e arquitectónico daquelas unidades ainda no activo – uma preocupação que, de resto, sublinha o que foi aprovado por uma deliberação de 2014 da AML, na sequência do debate temático então realizado sobre o futuro da Colina de Santana. O Bloco de Esquerda viu ontem aprovada uma chamada de atenção a esta questão, com a votação favorável no plenário do primeiro ponto da sua recomendação. O mesmo conseguindo o PEV, partido que convocou o debate sobre a matéria.


 Projecto do Hospital Oriental de Lisboa, da autoria do arquitecto Souto de Moura

Mas foi o PCP quem conseguiu ver aprovado pela assembleia, apesar dos votos contra do PS e do PNPN, o mais urgente apelo: “Manifestar junto do governo a sua profunda preocupação relativamente à previsível perda de capacidade de resposta aos cuidados de saúde da população em razão do encerramento das unidades do Centro Hospitalar de Lisboa Central”. Receio que acaba por estar em sintonia com as inquietudes expressas por Helena Roseta na carta enviada a Adalberto Campos Fernandes. A presidente da assembleia e os eleitos comunistas não estiveram, porém, sozinhos no exprimir dessa preocupação, longe disso.

 Miguel Santos, do PAN, disse não admitir que “o centro de Lisboa fique pior do que está, nem que o Hospital Oriental seja construído à custa de fechar dos restantes hospitais do centro”. Já Isabel Pires, do Bloco de Esquerda, considerou que continua a existir uma “indefinição premeditada” sobre o destino dos hospitais centrais. Situação que não encara como um fruto do acaso. “Infelizmente, o apetite pelos terrenos da Colina de Santana não foi apaziguado, bem pelo contrário. Não há garantia de permanência pública destes edifícios, nem de alguns serviços”, constatou. Uma incerteza que também Sobreda Antunes (PEV) vê como algo que está longe de ser casual. “Existem ou não vorazes interesses imobiliários?”, questionou.

 Também à direita se fizeram ouvir fortes críticas ao aparente impasse sobre os hospitais do CHLC e o futuro da Colina de Santana. “Acabamos este mandato da mesma forma que o iniciámos. Ou seja, com um novo hospital à espera de ser construído e meia-dúzia de hospitais cujo destino está traçado há muito e nós aqui a fazermos este tipo de proclamações”, afirmou Sofia Vala Rocha, pelo PSD, que aproveitou para atacar ainda as “promessas” de Fernando Medina em construir três dezenas de centros de saúde. “Andámos quatro anos a discutir o sexo dos anjos dos hospitais”, ironizou sobre a situação de aparente impasse na concretização de obras de vulto no campo da saúde, antes de afirmar que “antes de 2015, a Troika e Passos Coelho tinham as costas largas”. Também Gabriel Fernandes, do CDS-PP, criticou o que considerou serem informações pouco claras do Ministério da Saúde sobre a rede hospitalar da cidade.


 Texto: Samuel Alemão

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Carnide volta a ganhar Orçamento Participativo, desta vez com três projectos


Carnide volta a ganhar Orçamento Participativo, desta vez com três projectos

POR O CORVO • 28 NOVEMBRO, 2017 •

Carnide foi a grande vencedora do Orçamento Participativo de Lisboa de 2017. A criação do Pólo Cultural de Carnide acabou por ser o projecto mais votado desta edição, na categoria de Projectos Estruturantes – a qual, no seu conjunto, distribuirá um 1,5 milhões de euros. A ideia terá, por isso, à sua disposição uma verba de 500 mil euros. A freguesia viu ainda mais duas propostas serem aprovadas, pelos 37.673 votos coligidos nesta edição, na categoria de projectos locais: a criação da Casa das Artes de Carnide e a construção de um parque infantil no Bairro Horta Nova. Os vencedores da décima edição do OP Lisboa foram anunciados, ao final da tarde de segunda-feira (27 de novembro), no salão nobre dos Paços do Concelho.

 Rita Martins, vice-presidente do Teatro de Carnide, responsável pela proposta do Pólo Cultural, explica, em declarações a O Corvo, que a ideia de criar o espaço resulta de “uma série de vontades de entidades culturais que já existem na freguesia de Carnide”. “O Teatro de Carnide tem já uma longa tradição de apoiar criadores emergentes e jovens, que fazem a sua formação e procuram espaços para apresentarem os seus projectos. Ter um novo espaço será uma mais-valia para eles, como para outros criadores, inclusive artistas internacionais, que queiram apresentar as suas propostas. Assim, poderão nascer novos projectos e mais cultura”, explica.

 “Temos muitos pedidos de acolhimentos, não só de portugueses, e não temos forma de responder. Foi essa falta de resposta que deu origem a esta proposta. Precisamos de um espaço novo, com outras condições. O Teatro de Carnide só tem uma sala e é difícil acolher muitos projectos. Quase todas as semanas rejeitamos propostas por não termos espaço para as acolher”, revela, ainda.

 “Já andamos nesta luta há dois anos. A ideia é criar um pólo cultural, gerido pelo Teatro de Carnide, aberto à comunidade e que, de alguma forma, contribua para que a comunidade e as diversas entidades culturais funcionem de uma forma mais articulada em colaboração com a Junta de Freguesia de Carnide. A freguesia de Carnide já é uma referência a nível cultural na cidade de Lisboa. É uma vitória de um colectivo que é maior do que eu imaginava”, considera.

 A segunda ideia mais votada do OP, a colocação de uma peça de arte denominada “Portugal em Lisboa, Turismo e Criatividade”, angariou 4.114 votos e receberá 93 mil euros para a sua execução. Pretende-se que seja colocada uma peça de arte pública no espaço urbano da capital portuguesa com a palavra “Lisboa”, na qual cada letra simbolizará uma dimensão cultural relacionada com Lisboa e Portugal.

 Ainda nesta categoria, a dos projectos considerados estruturantes, venceu também o projecto 109, que consiste na aquisição de uma ambulância e equipamento de emergência veterinária para socorro animal. Esta ideia recolheu 2.504 votos e terá uma verba de 150 mil euros para a sua concretização. A última das propostas inseridas nesta categoria, a requalificação da piscina do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, em Alvalade, contará com 500 mil euros, depois ter recebido 1.418 votos dos cidadãos que se interessam pela capital portuguesa.

 Na categoria de Projectos Locais, que disponibiliza verbas até 150 mil euros para cada ideia, foram atribuídos 11 prémios, distribuídos pelas cinco unidades de intervenção territorial de Lisboa (centro histórico, centro, oriental, ocidental e norte). No centro histórico, ganhou o “Circuito de cinco corridas no centro histórico de Lisboa” e o “Memorial às vítimas da escravatura”. Na zona centro, os vencedores foram a “Requalificação da escola básica de São Sebastião”, o “Melhoramento do espaço público e dinamização do comércio local em Entrecampos” e o “Melhoramentos dos passeios em Campolide”.

 Na zona norte, os dois projectos vencedores pertencem a Carnide: a “Construção de um parque infantil no Bairro da Horta Nova” e a “Criação da Casa das Artes de Carnide”. Na zona ocidental, ganhou a “Requalificação do Lavadouro da Ajuda para ser um espaço cultural” e a “Instalação de um pontão para barcos a remo na doca de Santo Amaro”. Na zona oriental, venceram o “Centro comunitário no Parque das Nações” e a “Criação de uma rádio escolar nas escolas dos Olivais”.

 O 10º orçamento participativo da Câmara de Lisboa recebeu 434 propostas, menos 100 do que no ano passado, tendo sido submetidas a votação 128 submetidas. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), salientou a importância deste tipo de iniciativas para um maior envolvimento do cidadão, fazendo-o sentir que pode fazer parte das melhorias da cidade. Explicou, ainda, que estes projectos podem servir de “radar” para alertar para os problemas da cidade de que a autarquia possa não ter conhecimento.

 “O Orçamento Participativo não é hoje um instrumento só para realizar um projeto ou outro, transformou-se numa grande força de mobilização da cidade, uma força imparável. É a vontade dos cidadãos que nos aponta caminhos de mudança”, afirmou, ao final da tarde de segunda-feira (27 de Novembro), na divulgação dos projectos vencedores. “Lisboa é a primeira capital europeia que tem Orçamento Participativo desta dimensão e é um grande orgulho irmos já na décima edição. Termos mais de 72 mil candidaturas em dez anos diz muito sobre a força do OP na transformação da cidade”, disse.

 Fernando Medina aproveitou, ainda, para recordar projectos vencedores de edições passadas e lembrar como os mesmos transformaram a vida de muitas pessoas e da cidade de Lisboa. “A criação de um jardim no Caracol da Penha de França, um dos projectos vencedores do ano passado, é um exemplo de que ganham força as ideias que hoje fazem parte da política de desenvolvimento da cidade. Aquela zona, durante vinte anos, não teve utilização”, disse, referindo-se ao terreno baldio onde irá surgir um novo espaço verde.

 No total, a autarquia de Lisboa disponibiliza 2,5 milhões de euros para concretizar as ideias propostas pelos cidadãos da capital. Ao longo dos 10 anos de OP, foram apresentadas mais de 62 mil candidaturas, que resultaram em 7.500 propostas e 105 projectos vencedores.


Texto: Sofia Cristino

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Já começaram os trabalhos de reparação da fachada vandalizada da Igreja do Loreto


Já começaram os trabalhos de reparação da fachada vandalizada da Igreja do Loreto

POR O CORVO • 27 NOVEMBRO, 2017 •

Os trabalhos de preparação para a reparação da vandalizada fachada da Igreja de Nossa Senhora do Loreto, no Chiado, começaram nesta segunda-feira (27 de novembro), com a colocação de uma estrutura de andaime. A operação inicia-se pouco mais de uma semana após aquela parte da parede exterior do templo, sobre o lado direito das escadarias principais, ter sofrido os efeitos de um fogo posto, que a deixou danificada, com a pedra a ficar enegrecida. A acção de depredação naquela que é conhecida também como Igreja dos Italianos ocorreu cerca das 4h da madrugada de domingo (19 de novembro), em simultâneo com outros actos vandálicos na zona, estando as autoridades policiais a investigar o caso.

 A intervenção de reabilitação daquela parte da fachada da Igreja do Loreto acontece no mesmo momento em que se encontram perto do fim os trabalhos de restauro do interior do templo, culminando uma obra de requalificação iniciada há sete meses. A igreja foi mandado erguer em 1518, para servir a então crescente comunidade italiana de Lisboa, e inaugurada quatro anos depois. O edifício original foi destruído pelas chamas de um incêndio resultante do grande terramoto de 1755, tendo acabado por ser reconstruído três décadas depois. Na semana passada, uma fonte da paróquia lembrava a O Corvo o “esforço financeiro muito grande” relacionado com a operação de reabilitação patrimonial realizada nos últimos meses. A última intervenção de fundo ocorrera no início do século XIX.


 Texto: Samuel Alemão

Inconvenient Truths About Migration

” Rowthorn argues, “may be exaggerated, but it is not always false.”
 “To maintain a once-and-for-all reduction in the dependency ratio requires a never-ending stream of immigrants. Once the inflow stops, the age structure will revert to its original trajectory.”
"For Goodhart, the taproot of liberals’ hostility to migration controls is their individualist view of society. Failing to comprehend people’s attachment to settled communities, they label hostility to immigration irrational or racist."
"The policy conclusion to be drawn is banal, but worth restating. A people’s tolerance for change and adaptation should not be strained beyond its limits, different though these will be in different countries. Specifically, immigration should not be pressed too far, because it will be sure to ignite hostility. Politicians who fail to “control the borders” do not deserve their people’s trust."

Inconvenient Truths About Migration
Nov 22, 2017 ROBERT SKIDELSKY

Standard economic theory says that net inward migration, like free trade, benefits the native population after a lag. But recent research has poked large holes in that argument, while the social and political consequences of open national borders similarly suggest the appropriateness of immigration limits.

LONDON – Sociology, anthropology, and history have been making large inroads into the debate on immigration. It seems that Homo economicus, who lives for bread alone, has given way to someone for whom a sense of belonging is at least as important as eating.
 This makes one doubt that hostility to mass immigration is simply a protest against job losses, depressed wages, and growing inequality. Economics has certainly played a part in the upsurge of identity politics, but the crisis of identity will not be expunged by economic reforms alone. Economic welfare is not the same as social wellbeing.
Let’s start, though, with the economics, using the United Kingdom – now heading out of the EU – as a case in point. Between 1991 and 2013 there was a net inflow of 4.9 million foreign-born migrants into Britain.
Standard economic theory tells us that net inward migration, like free trade, benefits the native population only after a lag. The argument here is that if you increase the quantity of labor, its price (wages) falls. This will increase profits. The increase in profits leads to more investment, which will increase demand for labor, thereby reversing the initial fall in wages. Immigration thus enables a larger population to enjoy the same standard of living as the smaller population did before – a clear improvement in total welfare.1
A recent study by Cambridge University economist Robert Rowthorn, however, has shown that this argument is full of holes. The so-called temporary effects in terms of displaced native workers and lower wages may last five or ten years, while the beneficial effects assume an absence of recession. And, even with no recession, if there is a continuing inflow of migrants, rather than a one-off increase in the size of the labor force, demand for labor may constantly lag behind growth in supply. The “claim that immigrants take jobs from local workers and push down their wages,” Rowthorn argues, “may be exaggerated, but it is not always false.”
A second economic argument is that immigration will rejuvenate the labor force and stabilize public finances, because young, imported workers will generate the taxes required to support a rising number of pensioners. The UK population is projected to surpass 70 million before the end of the next decade, an increase of 3.6 million, or 5.5%, owing to net immigration and a surplus of births over deaths among the newcomers.
Rowthorn dismisses this argument. “Rejuvenation through immigration is an endless treadmill,” he says. “To maintain a once-and-for-all reduction in the dependency ratio requires a never-ending stream of immigrants. Once the inflow stops, the age structure will revert to its original trajectory.” A lower inflow and a higher retirement age would be a much better solution to population aging.
Thus, even with optimal outcomes, like the avoidance of recession, the economic arguments for large-scale immigration are hardly conclusive. So the crux of the matter is really its social impact. Here, the familiar benefit of diversity confronts the downside risk of a loss of social cohesion.
David Goodhart, former editor of the journal Prospect, has argued the case for restriction from a social democratic perspective. Goodhart takes no position on whether cultural diversity is intrinsically or morally good or bad. He simply takes it for granted that most people prefer to live with their own kind, and that policymakers must attend to this preference. A laissez-faire attitude to the composition of a country’s population is as untenable as indifference to its size.
For Goodhart, the taproot of liberals’ hostility to migration controls is their individualist view of society. Failing to comprehend people’s attachment to settled communities, they label hostility to immigration irrational or racist.
Liberal over-optimism about the ease of integrating migrants stems from the same source: if society is no more than a collection of individuals, integration is a non-issue. Of course, says Goodhart, immigrants do not have to abandon their traditions completely, but “there is such a thing as society,” and if they make no effort to join it, native citizens will find it hard to consider them part of the “imagined community.”
A too-rapid inflow of immigrants weakens bonds of solidarity, and, in the long run, erodes the affective ties required to sustain the welfare state. “People will always favor their own families and communities,” Goodhart argues, and “it is the task of a realistic liberalism to strive for a definition of community that is wide enough to include people from many different backgrounds, without being so wide as to become meaningless.”
Economic and political liberals are bedfellows in championing unrestricted immigration. Economic liberals view national frontiers as irrational obstacles to the global integration of markets. Many political liberals regard nation-states and the loyalties they inspire as obstacles to the wider political integration of humanity. Both appeal to moral obligations that stretch far beyond nations’ cultural and physical boundaries.
At issue is the oldest debate in the social sciences. Can communities be created by politics and markets, or do they presuppose a prior sense of belonging?
It seems to me that anyone who thinks about such matters is bound to agree with Goodhart that citizenship, for most people, is something they are born into. Values are grown from a specific history and geography. If the make-up of a community is changed too fast, it cuts people adrift from their own history, rendering them rootless. Liberals’ anxiety not to appear racist hides these truths from them. An explosion of what is now called populism is the inevitable result.
The policy conclusion to be drawn is banal, but worth restating. A people’s tolerance for change and adaptation should not be strained beyond its limits, different though these will be in different countries. Specifically, immigration should not be pressed too far, because it will be sure to ignite hostility. Politicians who fail to “control the borders” do not deserve their people’s trust.

Nov 8, 2017 CHRISTOPHER SMART
ROBERT SKIDELSKY
Writing for PS since 2003


Robert Skidelsky, Professor Emeritus of Political Economy at Warwick University and a fellow of the British Academy in history and economics, is a member of the British House of Lords. The author of a three-volume biography of John Maynard Keynes, he began his political career in the Labour party, became the Conservative Party’s spokesman for Treasury affairs in the House of Lords, and was eventually forced out of the Conservative Party for his opposition to NATO’s intervention in Kosovo in 1999.

Rua dos Lagares from Left Hand Rotation on Vimeo.

domingo, 26 de novembro de 2017

Imagem do Dia / O “institucionalizado populista – mor” crítica o Populismo ...


O  “institucionalizado populista – mor”, omitindo o caso dos submarinos afirma:
Portas avisa: “Não deixem que os populistas ocupem o espaço da mentira”
“O ex-vice-primeiro-ministro, agora consultor da Mota Engil e empresário, fez uma distinção entre a natureza das instituições e as redes sociais. E lembrando que ainda hoje gosta de “acordar e sujar os dedos nos jornais”, Portas considerou que as redes sociais depois de colonizarem os “jornais clássicos” – que se “tornaram imitações das redes sociais” -  agora tentam fazê-lo com os partidos políticos, transformando-os “brigadas de acção rápida sobre o que aparece nas redes sociais – sem saber se é verdade ou não” -  e depois serão as instituições”, afirmou”
26 de Novembro de 2017

“1. O Ministério da Defesa manifesta interesse em adquirir submarinos
2. O Estado abre as Portas a uma empresa privada para "intermediar" o negócio
3. A intermediária (ESCOM) negoceia e fica com uma gorjeta de 27 milhões (parece que desapareceram um papéis, o que fez reduzir o valor oficial da gorjeta)
4. O Conselho de Administração (Feudo) da ESCOM, o Conselho Superior (Feudo) do GES e o consultor Horta e Costa ficaram com a gorjeta”

Desapareceram os documentos do negócio dos submarinos
Grande parte da documentação dos submarinos desapareceu do Ministério da Defesa. Sumiram, em particular, os registos das posições que a antiga equipa ministerial de Paulo Portas assumiu na negociação.
"Apesar de todos os esforços e diligências levadas a cabo pela equipa de investigação, o certo é que grande parte dos elementos referentes ao concurso público de aquisição dos submarinos não se encontra arquivada nos respetivos serviços [da Defesa], desconhecendo-se qual o destino dado à maioria da documentação", escreveu o procurador João Ramos, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em despacho de 4 de junho que arquivou o inquérito em que era visado apenas o arguido e advogado Bernardo Ayala (o processo principal continua em investigação).
Nos últimos anos, já tinha sido noticiado o desaparecimento de vários documentos do negócio concretizado, em 2004, quando Durão Barroso era primeiro-ministro e Paulo Portas ministro de Estado e da Defesa Nacional. Mas, agora, é o próprio Ministério Público não só a reconhecer o problema como a atribuir-lhe uma dimensão que vai para além dos casos pontuais já noticiados.
NELSON MORAIS
11 Agosto 2012 às 00:00


Estrangeiros já procuram casas fora do centro


“Isto acontece depois de, nos últimos 18 meses, cerca de uma em cada cinco casas vendidas nos bairros mais antigos do centro de Lisboa ter ido parar a estrangeiros. Ou seja, 18% das 7300 operações realizadas neste período.”
(…) “os preços das habitações em Lisboa “foram inflacionados pela oferta no segmento de luxo e muito virada para o turismo.”
“Depois de compradas por investidores, estas casas são convertidas em espaços de alojamento local, para responder ao aumento dos turistas.”

Estrangeiros já procuram casas fora do centro
Turismo e adicional ao IMI inflacionam preços no mercado. Linhas de Cascais e de Sintra e Oeiras são alguns dos locais procurados



343 mil euros. Este foi o preço médio que cada estrangeiro pagou por casas que compraram no centro de Lisboa no último ano e meio, segundo a Confidencial Imobiliário. Perante este cenário, até quem não é português e procura uma casa mais em conta já está a fugir da cidade. O cenário é admitido por Ricardo Sousa, administrador da Century 21 em Portugal. “As casas até 300 mil euros são cada vez mais procuradas, sobretudo em zonas fora do centro de Lisboa, como as linhas de Cascais e de Sintra, Oeiras, Odivelas, Sacavém e Infantado”, refere Ricardo Sousa ao Dinheiro Vivo. Isto acontece depois de, nos últimos 18 meses, cerca de uma em cada cinco casas vendidas nos bairros mais antigos do centro de Lisboa ter ido parar a estrangeiros. Ou seja, 18% das 7300 operações realizadas neste período. Para proprietários e imobiliárias, os dados mostram que a mudança no mercado veio para ficar, mas são precisas mais medidas para travar a fuga de famílias da cidade. O administrador da Century 21 em Portugal alega que os preços das habitações em Lisboa “foram inflacionados pela oferta no segmento de luxo e muito virada para o turismo. João Pedro Pereira, da ERA Portugal, corrobora este cenário e compara a situação a metrópoles como Londres, Paris e Barcelona. Depois de compradas por investidores, estas casas são convertidas em espaços de alojamento local, para responder ao aumento dos turistas. Neste cenário, António Frias Marques, da Associação Nacional de Proprietários (ANP) defende “quotas para estrangeiros comprarem casas na cidade” e “limites à instalação de hotéis e de alojamento local”. Os problemas não ficam por aqui. “Isto também é resultado do adicional ao IMI, que aplica-se sobretudo aos imóveis com fins para habitação”, entende Luís Menezes Leitão, da Associação Lisbonense de Proprietários. “Há uma grande desconfiança no arrendamento, sobretudo por causa do condicionamento das rendas. Os proprietários não vão arrendar as casas se isto continuar como está.” Este cenário também é sentido no Porto, onde o índice de preços para casas no centro histórico aumentou dos 175,7 para 198 pontos (+13%) no primeiro semestre. Cada vez mais empresas estão a instalar centros tecnológicos na cidade e pressionam o imobiliário. Em Lisboa, para travar a escalada de preços, a câmara municipal assinou com Barcelona e Nova Iorque, uma carta conjunta em que as três cidades defendem mais poder para regular preços da habitação. A vereadora da Habitação, Paula Marques, pede uma “revisão profunda da lei do arrendamento urbano”. Este documento pelo direito à habitação defende o equilíbrio entre o turismo e a oferta residencial destas três cidades. Até lá, o município alega que apenas pode promover programas de renda acessível no centro da cidade. Proprietários e imobiliárias são mais ambiciosos. Luís Menezes Leitão quer o fim do regime de renda condicionada, introduzido em janeiro de 2015 após a reforma da lei do arrendamento. A Century 21 defende a aposta no “arrendamento de média e grande dimensão, com a entrada de investidores e o regresso da construção, “sobretudo no segmento de casas abaixo dos 250 mil euros.